Os 10 melhores álbuns de 2016!

10º Lugar: Ina Forsman- Ina Forsman

Como falei na resenha que escrevi de sua estreia, Ina Forsman soube bem explorar suas referências e usá-las à seu favor. Apresentando um blues com muitas pitadas de soul, mas com um clima mais festeiro do que melancólico, a moça solta a voz nas 11 faixas que compõem o disco. De longe o melhor disco de estreia de 2016, e que com certeza colocará a vocalista no grupo de artistas revelação.

Leia nossa crítica desse disco clicando aqui.

 

9º Lugar: Zakk Wylde- Book Of Shadows II

Mesmo que no Black Label Society Zakk componha algumas baladas em cada disco, é nítido que ele deve guardar as melhores para sua carreira solo. Pois o que vemos em Book Of Shadows II não faz feio de forma alguma ao primeiro volume, que se tornou uma espécie de clássico para os apreciadores do barbudo. Ao longo da audição, a sensação é que fica é que qualquer uma das 14 músicas poderia ser destaque do primeiro Book Of Shadows. Um pouco mais depressivo que o disco de 20 anos atrás, Zakk apresenta um ótimo gosto tanto na sonoridade quanto nas letras.

 

8º Lugar: Vektor- Terminal Redux

A banda de Arizona formada em 2003 chega aos seu 3º disco de estúdio sendo aclamada nos maiores sites de metal do mundo. Com um Thrash Metal técnico e intrincado, usando a temática sci-fi em suas letras, Terminal Reduz prima pelas composições certeiras e cheias de peso, mas com um pé no prog-metal. Um disco que requer um pouco de paciência em sua digestão, mas que fica melhor a cada audição.

 

7º Lugar: Megadeth- Dystopia

Fatalmente uma das bandas mais comentadas do ano aqui no Brasil, muito pela entrada de Kiko Loureiro (Ex Angra) na banda, Dystopia atingiu um alto nível de hype nos fãs. E o disco não decepcionou. Mostrando como sempre uma técnica apurada em seu thrash/heavy metal, o Megadeth voltou a empolgar depois de seu último disco, que não foi bem aceito mundo afora. E claro, Kiko Loureiro mandou muito bem nas guitarras, sendo efusivamente elogiado durante o ano pelo seu chefe, Dave Mustaine.

 

6º Lugar: Blackberry Smoke- Like An Arrow

Vindo de uma sequência consistente de lançamentos desde Little Pixie Of Dixie (2009), o Blackberry Smoke lança esse que se não é seu melhor disco, é com toda certeza o mais maduro. E o melhor, apenas 1 ano e meio depois de Holding All The Roses (2015), o que mostra que esses caras de Atlanta estão com muita garra e vontade de conquistar ainda mais fãs. Mesmo sendo pouco conhecida no Brasil, a banda aos poucos vai solidificando seu nome como o grande representante do Southern Rock Moderno.

Leia nossa crítica desse disco clicando aqui

 

5º Lugar: Iggy Pop- Post Pop Depression

A parceria com Josh Homme deu um novo gás à carreira de Iggy. Produzindo e tocando guitarra, Homme conseguiu dar um pouco de frescor à sonoridade empoeirada (no bom sentido) de Iggy Pop. Contando com uma sonoridade arrastada e que remete diretamente ao início dos anos 80, com aquele som mais abafado e “malvado”. Post Pop Depression apresenta apenas 9 faixas, mas todas relevantes e cheias de qualidade.

 

4º Lugar: Opeth- Sorceress

Apesar de ser odiado por uma parcela de fãs mais antigos que viram a banda migrar de um death metal bastante técnico para um rock progressivo muito bem feito, mas que nada combinava com o que a banda já foi, o Opeth segue lançando seus álbuns sem se importar com as críticas. E Sorceress, apesar de não ser tão bom quanto Heritage (2011), é mais um acerto da banda no que se refere às composições.

 

3º Lugar: David Bowie- Black Star

O último trabalho desse que é um dos grandes compositores da história da música contemporânea é seu melhor disco em ao menos 20 anos. Com mais influências de Jazz e com uma sonoridade mais soturna e intimista, David Bowie não poderia ter se despedido de melhor forma. Com um álbum curto, porém preciso, encerra de forma gloriosa uma carreira de quase 50 anos.

 

2º Lugar: Metallica- Hardwired…To Self-Destruct

Considero esse novo disco do Metallica o melhor trabalho desde Black Álbum (1991). E ao contrário do muita gente pensa, isso não é demérito algum, já que o Load (1996) também é um ótimo disco. Oito anos após Death Magnetic, a banda retorna com mais vigor e mais metal correndo em suas veias, como faixas como Spit Out The Bone, Hardwired e Dream No More mostram. Mesmo sendo um pouco inchado, é compreensível que hoje em dia lance-se um disco com mais faixas para que o ouvinte possa escolher as de seu gosto. E Hardwired… To Self-Destruct atende aos apreciadores de quase todas as fases da banda.

Leia nossa crítica desse disco clicando aqui

 

1º Lugar: Joe Bonamassa- Blues Of Desperation

O incansável guitarrista que começou a carreira muito cedo ganhando elogios de B.B King quando tinha apenas 13 anos entregou em 2016 seu melhor trabalho solo. Diversificado e arrojado, Blues Of Desperation entrega músicas poderosíssimas com um excelente trabalho de guitarra e vocais inspirados de Joe. Mountain Climbing, No Good Place For The Lonely, Drive e Livin’ Easy são os maiores destaques.

Leia nossa crítica desse disco clicando aqui.

 

Curta nossa página no facebook e comente abaixo se você concorda com a lista e diga quais são os melhores discos de 2016 para você!

Comentários no Facebook