The Walking Dead S07E05- Crítica

Avaliação: 2.5 Stars (2.5 / 5)

É consenso que a grande maioria dos fãs de Walking Dead não aprovam essa estratégia (por motivações financeiras) de separar os núcleos por episódios. Se por um lado prejudica a fluidez da narrativa, por outro não podemos negar que a AMC consegue índices maiores de audiência mantendo essa fórmula. O grande problema é que quando você não consegue reunir cenas interessantes o suficiente por núcleo, o episódio acaba um pouco perdido na temporada.Salvo algumas cenas, é o caso de Go Getters (episódio 5).

O episódio foca-se em dois personagens; Carl e Maggie. O garoto, que aparentemente ao contrário de Rick, não está satisfeito com as imposições autoritárias de Negan, Sai de Alexandria juntamente com Enid com direção à Hiltop, onde está Maggie e Sasha. Enquanto as duas tentam negociar suas estadias na comunidade, são recebidas pelas tropas de Negan, lideradas por Simon.

Uma das únicas coisas quem salvam nesse episódio é a forma como é mostrado o luto de Maggie. Algo que ficou faltando quando a moça perdeu o pai ou a irmã, que talvez não tenha ocorrido por conta das circunstâncias da história. Ela é talvez a personagem que mais perdeu desde que o apocalipse inicio-se, então sempre achei que a personagem poderia ser mais bem desenvolvida e com uma carga dramática maior. Maggie aqui se vê em um ponto onde deve tomar o posto de liderança feminina, já que Michonne parece que só perdeu como personagem depois do inicio do romance com Rick, já que ela praticamente não faz mais nada a não ser pensar na vida.

A cota de ação do episódio foi preenchida com uma cena bem construída e dirigida onde os portões foram abertos pelo pessoal do Negan a noite e os zumbis invadem a comunidade. Sasha, Jesus e Maggie tomam o comando da situação e conseguem eliminar todos os walkers. Com destaques para as acrobacias de luta de Jesus e pela forma que Maggie esmaga o carro com uma espécie de trator.

O fim do episódio é promissor. Com Jesus entrando em um dos caminhões dos homens de Negan para descobrir onde ele mora, acaba deparando-se com Carl, que havia se escondido ali e aparentemente pretende ir ao encontro do vilão. Quem lê as Hqs sabe que a relação de Carl com o antagonista é bastante curiosa e rende bos momentos, então nos enche de esperanças que o garoto possa ser bem aproveitado nos próximos episódios e temporadas.

Fora do assunto do episódio, gostaria de deixar aqui algumas considerações pessoais. Acho que Walking Dead já está mais do que desgastada, já que faz umas 3 temporadas que a série não chega à lugar algum. Algumas pessoas ficam dizendo que reclamamos apenas porque queremos ação, e é verdade!! Queremos ação, terror e suspense pois isso é o que a série sabe fazer de melhor, já que quase sempre que tenta ser dramática ela passa vergonha. Claro que não dá pra fazer episódios insanos toda semana, mas o baixo nível de qualidade nesses episódios de preparação acaba irritando. São 7 temporadas, pensem em quantos personagens a série realmente desenvolveu bem nesse tempo? 2? 3?

Talvez a salvação para a Fox fosse uma mudança radical de rumo (coisa que não vai acontecer). Imaginem se praticamente todo o grupo do Rick (ele incluso) acaba morrendo nas mãos de Negan, e em vez da série terminar, continuasse seguindo o grupo do grande vilão? Os personagens mais jovens, como Carl, e Judith de alguma forma ficassem vivos, mas apenas orbitando em torno da trama principal, para que em um futuro voltassem ao protagonismo. Sempre achei que os roteiristas estão esperando o Carl crescer para ocupar o lugar do pai no grupo, mas se continuar nesse ritmo, a série vai acabar tão cansativa que pode ser encerrada às pressas sem planejamento.

Você tem algum caminho maluco que acha que a série deveria seguir? Comente aí abaixo!

Comentários no Facebook